Home Central Press Até quando seguiremos nos reinventando? Sempre!

Até quando seguiremos nos reinventando? Sempre!

por Central Press

Por Matthias Schupp*

A palavra que regeu 2020 e que ainda irá prevalecer em 2021 é a reinvenção. Quem não ouviu, seja em casa, no trabalho, na televisão ou no grupo de amigos, que determinada pessoa precisou se reinventar na pandemia, que os comerciantes reinventaram seus negócios ou que o próprio mercado precisou reinventar suas atividades?

Porém, para se reinventar é necessário seguir valores e esses, independente do desafio ou pandemia, mantêm-se os mesmos. Para quem busca o sucesso, os pilares e caminhos já são conhecidos: são a criação de oportunidade, paixão, agilidade, humildade, disciplina e colaboração. Basta saber aplicar cada um deles na sua área, serviço e rotina e a excelência será uma consequência.

E eu, em uma breve palestra do multicampeão Bernardinho, pude compreender ainda mais a importância dos princípios. Com muita didática e exemplos de uma carreira brilhante, ele mostrou que, com valores básicos, o sucesso se torna parte da jornada. Seja no esporte, como o voleibol, ou em qualquer setor do mercado, a relevância de mantermos a mente aberta ao aprendizado e sermos guiados pela paixão pelo trabalho é a mesma.

E, nesse processo, a cobrança está diretamente ligada ao resultado. Me surpreendeu quando Bernardinho contou que grandes líderes podem ser comparados aos pais rígidos, que cobram e, ao mesmo tempo, cuidam. A cobrança só vem para aqueles que são capazes, mas talvez ainda não saibam disso. Para quem sabe a importância da disciplina, que nada mais é do que saber dizer não. Dizer não para aquilo que é fácil e cômodo e buscar superar-se a cada dia.

Dentro de uma empresa não há medalha de ouro, prata ou bronze, mas sim retorno e resultados que levam a equipe a excelência, assim como em um pódio olímpico. Uma venda, um novo produto, uma tecnologia desenvolvida ou meta batida podem trazer para o ambiente corporativo a mesma emoção de um atleta em quadra, que após muitos desafios, erros, acertos, aprendizados e, principalmente, perseverança, chegou ao topo.

E quando chegamos lá? Esse sim é o grande desafio da trajetória. Para explicar esse cenário, Bernardinho usou o exemplo de uma montanha: em sua base há espaço para muita gente, mas no topo não. Lá o ar é rarefeito, é frio e tem muita gente abaixo querendo alcançar o mesmo posto. Como lá em cima os desafios se multiplicam então, é sim preciso voltar ao reinventar.

Reinventar a forma de fazer, principalmente. Mas foi feito sempre assim! Pois é, mas o que nos trouxe até aqui, não será o que nos levará para o futuro. E, novamente, os valores e o propósito não podem mudar. O que muda são os formatos, ideias, atitudes, ações e, consequentemente, os resultados. A necessidade move uma ação. Quando necessário, todos sabem que é hora de buscar o novo e o diferente, de reinventar.

E 2021 é sim uma oportunidade de reinventar. Mas nunca será momento de esquecer aquilo que sustenta os grandes negócios, as grandes ideias. Uma equipe motivada, disposta a aprender sempre, com líderes atentos e cuidadosos, um time unido e muita sede por fazer acontecer, por criar o novo e manter a excelência, será sempre medalha de ouro no jogo da vida real.

*Matthias Schupp é CEO da Neodent e EVP do Grupo Straumann da América Latina

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

×