Home Central Press Das escolas se espera ainda mais: 32 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

Das escolas se espera ainda mais: 32 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente

Eliziane Gorniak*

por Central Press

No ano que completa 32 anos, o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) é
considerado um marco importante para o futuro de crianças e adolescentes brasileiros,
pois foi a partir daí que eles passaram a ser entendidos como pessoas em
desenvolvimento e dotadas de direitos e deveres. As legislações anteriores voltadas
às crianças tinham um viés completamente distinto ao que preconiza o ECA, pois o
cunho era mais assistencial, para crianças em situação de vulnerabilidade, ou punitivo,
para aquelas em conflito com a lei.
Uma das concepções que alicerçam o estatuto é a de que crianças e adolescentes
devem merecer proteção integral e prioridade absoluta da sociedade e das políticas
públicas, possibilitando a efetiva condição ao seu desenvolvimento.
Nesse contexto, as escolas também tiveram que passar por um intenso processo de
adaptação e incorporação de novas responsabilidades, a fim de garantir tanto a
formação acadêmica dos estudantes quanto a atuação na garantia dos seus direitos e
deveres . Bons exemplos podem ser encontrados ao redor do país, como a revisão
dos regimentos escolares e dos projetos políticos pedagógicos mais alinhados à
concepção do estatuto, abertura das escolas nos finais de semana e oferta de escolas
de pais, convidando as famílias para participarem mais do dia a dia das escolas ou
para dialogarem sobre temas relevantes.
Passadas três décadas de aprovação do estatuto, as escolas seguem tendo um papel
relevante a desempenhar. Porém, infelizmente, não é todo município que tem
profissionais plenamente preparados ou que recebem o apoio necessário para
conseguirem cumprir o que se espera deles. Vale destacar que, em algumas regiões
do país, as escolas e as unidades de saúde são os únicos equipamentos públicos ao
alcance da população. Nem todas as redes de ensino particular ou pública, fazem
investimentos constantes em formação dos profissionais e da comunidade escolar
sobre temas da atualidade e que afetam diretamente a atuação dos docentes e o
desempenho dos estudantes. Ou ainda, nem sempre conseguem contar com uma
rede de proteção efetiva.
O ambiente escolar é vivo e muito dinâmico, sofrendo reflexos constantes dos desafios
contemporâneos da sociedade. Muitas das situações que ocorrem fora da escola e a
afetam diretamente, dependendo da situação, sozinha, ela não terá condições de
solucioná-los. Exemplo disso é o número de adolescentes em situação de depressão.
De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), um em cada cinco
adolescentes sofre com problemas de saúde mental. Podemos citar ainda o bullying,
que pode ser potencializado nas redes sociais, ou ainda, casos de separação dos pais
e processos litigiosos de guarda; de violência física ou sexual; de trabalho infantil; uso
de drogas; abandono da escola e até mesmo suicídio. Todas essas situações são
exemplos do que pode afetar a dinâmica escolar e o rendimento dos estudantes,
obrigando a escola a contar com o apoio das famílias ou da rede de proteção.
Em 2006, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente aprovou uma
resolução que instituiu o Sistema de Garantia dos Direitos, um importante mecanismo
para assegurar e fortalecer a implementação do ECA, a partir da integração e da
articulação entre o Estado, as famílias e a sociedade civil. O sistema deve contar com

diversos profissionais e organizações, como: juízes, promotores, conselhos tutelares,
escolas, profissionais que atuam nos centros de referência da assistência social
(CRAS), agentes de saúde, entre outros.
Cada vez fica mais claro, a garantia dos direitos e dos deveres preconizados pelo
estatuto dependerá do diálogo, da articulação e da cooperação de profissionais e de
organizações. Na prática, isso torna o processo mais potente, mas, ainda sim, mais
complexo.
Por isso, das escolas e dos seus profissionais vai se esperar cada vez mais: mais
qualidade, conhecimento e profundidade para que estejam preparados para lidar com
os desafios da contemporaneidade, fortalecendo a concepção de direitos e deveres
das crianças e adolescentes, além de resguardá-los de vulnerabilidades. Somente
assim, os estudantes terão condição de utilizar o espaço escolar e as relações com a
comunidade que os cercam como oportunidades para o seu máximo desenvolvimento
físico, emocional, intelectual e cultural.

*Eliziane Gorniak é mestre em Sustentabilidade e Gestão Ambiental, com MBA
em Liderança e Gestão Pública e diretora do Instituto Positivo.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

×

Hello!

Click one of our contacts below to chat on WhatsApp

×