Home dino Comparado a 2020, número de MPEs exportadoras deve aumentar nos próximos anos

Comparado a 2020, número de MPEs exportadoras deve aumentar nos próximos anos

por

São Paulo, SP 27/10/2021 – É fundamental saber que o custo portuário brasileiro é um dos maiores do mundo e achar as saídas de melhor custo versus benefício coloca a empresa em vantagem.

Uma em cada três empresas brasileiras exportadoras são de pequeno porte. Segundo a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), em um universo de 25 mil empresas que vendem para o exterior, 8,4 mil são as chamadas micro e pequenas empresas (MPE) que, em 2020, foram responsáveis por 32% das exportações. Ainda que o montante de valores negociados seja baixo, em torno de 1% segundo a Agência, há expectativas de crescimento e a volta ao patamar de anos anteriores.

Levantamento do Sebrae, de 2019, mostra que o volume de exportação de produtos e serviços de micro e pequenas empresas beirou os 40% naquele ano, em relação ao total de empresas que venderam para o mercado internacional. A pesquisa “Oportunidades Comerciais para Micro e Pequenas Empresas”, realizada pela entidade em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), mostrou os setores com maior potencial de crescimento nas vendas para o exterior, identificando ainda os mercados mais promissores. Confecção de artigos de vestuário e acessórios é um dos setores em ascensão, seguido de produtos alimentícios como conservas de frutas, legumes e outros vegetais, além de móveis, sabões, detergentes, cosméticos e perfumaria.

Sabendo do potencial de vendas para determinados mercados, as MPEs que atuam nos nichos identificados pelo estudo precisam se preparar, ainda mais agora com a maior contenção da pandemia da Covid-19, que influenciou na queda registrada das exportações registrada no ano passado. O processo não é tão simples e exige pesquisa e adoção de estratégias para não correr o risco de sofrer prejuízos e até mesmo inviabilizar o negócio no mercado nacional. Para o especialista em comércio exterior e com 15 anos de experiência em logística internacional, Regis Rodrigues, as micro e pequenas empresas precisam conhecer desde os sistemas locais de portos, rodovias, ferrovias, licenças, contratos e seguros, até a compreensão básica das diversas etapas que a mercadoria vai passar até chegar ao importador.

Rodrigues também aconselha os pequenos empresários que querem começar a exportar a conhecer bem seus concorrentes internacionais, para analisar se vale a pena a competição. Outra observação do especialista para esse público é estudar as taxas cambiais e se programar financeiramente para as oscilações de valores. “A burocracia aduaneira com os procedimentos alfandegários pode ser um empecilho já no início do jogo. Apesar dos ganhos atraentes, é preciso considerar a atual taxa cambial com base no dólar americano. Além disso, o exportador precisa se atentar também às negociações do contrato de câmbio para que esse fator não comprometa o planejamento financeiro da empresa”, observa.

Estudar estratégias de preços, levando em consideração todos os custos que o processo de exportação vai demandar, também é um fator que os novos exportadores devem considerar para evitar desperdícios e não prejudicar o negócio. “Por exemplo, é fundamental saber que o custo portuário brasileiro é um dos maiores do mundo e achar as saídas de melhor custo versus benefício coloca a empresa em vantagem no mercado. E esse fator pode agradar gregos e troianos, uma vez que o importador poderá estar satisfeito com o custo e se tornar um comprador assíduo”, comenta Regis Rodrigues.

A partir de 2022, plataforma digital vai ajudar MPEs que querem vender para o exterior

No último dia 21 de outubro, o governo brasileiro lançou um serviço digital e gratuito para micro e pequenas empresas que querem entender se têm condições de entrar no mercado internacional. Desenvolvido em parceria com o governo do Reino Unido, o serviço é baseado na metodologia do Plano Nacional da Cultura Exportadora (PNCE), coordenado pelo Ministério da Economia (ME).

De acordo com as informações do Ministério, o aplicativo digital, pioneiro na América Latina, permitirá às MPEs identificarem e consumirem serviços voltados à exportação tanto nas fases de pré-fechamento do contrato – com capacitação empresarial e inteligência de mercado – quanto no pós-fechamento, como financiamento e logística.  A finalização do projeto e a inauguração do serviço estão previstos para o primeiro semestre do próximo ano.

Até lá, micro e pequenas empresas que tiverem interesse em iniciar no mercado exportador podem conseguir informações e consultorias com entidades como a própria Apex, órgão do governo federal, ou com Sebrae e, ainda, a plataforma Indústria Global.

Posts Relacionados

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

×

Powered by WhatsApp Chat

×