Home Notícias Corporativas Universidade de Tóquio e Sekisui House lançam pesquisa conjunta sobre biodiversidade e saúde

Universidade de Tóquio e Sekisui House lançam pesquisa conjunta sobre biodiversidade e saúde

por DINO

A Escola de Pós-Graduação em Ciências Agrícolas e da Vida (Graduate School of Agricultural and Life Sciences – GSALS) da Universidade de Tóquio e a Sekisui House, Ltd. irão lançar um projeto de pesquisa conjunto sobre biodiversidade e saúde humana em 1º de dezembro de 2022. O projeto irá investigar os benefícios que a biodiversidade e a natureza urbana ambientais têm sobre a saúde e o bem-estar humano. Esta será a primeira iniciativa do mundo a investigar de modo abrangente os efeitos da interação com a natureza próxima de um jardim rico em biodiversidade na saúde dos moradores e suas atitudes e comportamento quantoànatureza.

Este comunicado de imprensa inclui multimédia. Veja o comunicado completo aqui: https://www.businesswire.com/news/home/20221129006152/pt/

Application of Sekisui House’s Gohon no Ki concept to detached homes (Photo: Business Wire)

Application of Sekisui House’s Gohon no Ki concept to detached homes (Photo: Business Wire)

O Laboratório de Ecologia da Conservação1, Departamento de Estudos do Ecossistema, GSALS da Universidade de Tóquio realiza pesquisas sobre a conservação da biodiversidade urbana e a gestão dos serviços do ecossistema (os benefícios para a sociedade humana fornecidos pelos ecossistemas). O Laboratório estuda a relação entre a natureza e a saúde humana desde 2016, e suas pesquisas indicam que as interações com a natureza podem levaràmelhoria da saúde e bem-estar humano. Entretanto, a questão de como estes benefícios para a saúde podem variar dependendo da qualidade e não da quantidade da natureza ainda não foi explorada.

Em 2020, o Laboratório de Ecologia da Conservação da GSALS da Universidade de Tóquio investigou como dois meios de interação com a natureza, a frequência do uso de espaços verdes e a visualização da hortaliças das janelas das residências, afetam a saúde mental dos residentes urbanos (autoestima, satisfação com a vida, felicidade, sintomas de depressão / ansiedade e solidão). Os resultados desta pesquisa mostraram que não apenas as pessoas que usam espaços verdes com frequência, mas também aquelas que moram em residências com vista para espaços verdes relataram melhor a saúde mental.² Isto sugere que as pessoas podem se beneficiar dos efeitos psicológicos da natureza dentro de suas próprias residências, mesmo se não estiverem fisicamente presentes em espaços verdes.

No gráfico anexo, a magnitude dos efeitos positivos (à direita da linha tracejada) e negativos (à esquerda da linha tracejada) indica que cada fator tem uma relação positiva ou negativa com cada medida de saúde mental. Por exemplo, “visão ecológica” está associada a baixos níveis de sintomas de depressão e ansiedade, enquanto “impacto da COVID-19 na renda” está associado a altos níveis de tais sintomas. A análise dos resultados mostrou que vivenciar a natureza pode afetar a saúde mental do mesmo modo que fatores como renda tradicionalmente considerados importantesàsaúde mental.

Desde 2001, a Sekisui House busca a conservação da biodiversidade através da criação de redes ecológicas em bairros residenciais urbanos quanto ao Projeto Gohon no Ki, uma proposta de criação de jardins e comunidades com espécies arbóreas nativas da região em questão. Uma pesquisa conjunta realizada com o Laboratório Kubota da Universidade de Ryukyu e a Think Nature Inc. desde 2019 revelou que este foco no plantio de árvores nativas de jardins em linha com o Projeto Gohon no Ki aumentou a biodiversidade em áreas urbanas (as três principais áreas metropolitanas do Japão), onde a biodiversidade reduziu significativamente.

O novo projeto de pesquisa conjunto irá combinar métodos analíticos desenvolvidos pelo Laboratório de Ecologia de Conservação da GSALS da Universidade de Tóquio com o Projeto Gohon no Ki da Sekisui House para conservar a biodiversidade, naquela que é a primeira tentativa mundial de investigar cientificamente os efeitos de hortaliças de jardins com biodiversidade sobre a saúde de seres humanos e bem-estar. Esta pesquisa também visa demonstrar a importância, do ponto de vista da biodiversidade, de criar jardins ricos em biodiversidade ao invés de simplesmente “hortaliça”.

O Laboratório de Ecologia da Conservação da GSALS da Universidade de Tóquio vem realizando pesquisas para testar cinco hipóteses sobre a relação entre a saúde humana e as interações com a natureza sob temas de saúde mental, saúde física, funções cognitivas e saúde da comunidade. Por ora, o novo projeto de pesquisa conjunto irá se concentrar em duas hipóteses referentesàsaúde mental e uma hipótese referente às funções cognitivas. Contudo, este é um projeto de pesquisa conjunto a longo prazo que, posteriormente, também irá analisar a saúde da comunidade e outros temas referentesàsaúde.

Hipóteses

Tema

Hipótese

Saúde mental

1

As pessoas que interagem com a natureza no jardim têm menos emoções negativas (depressão, sintomas de ansiedade, estresse, etc.) e mais emoções positivas (qualidade de vida, felicidade, etc.).

2

Pessoas que podem ver a natureza pelas suas janelas têm melhor saúde mental.

Funções cognitivas

3

A interação com a natureza no jardim melhora as funções cognitivas.

Saúde da comunidade

4

A interação com a natureza no jardim contribui para a saúde da comunidade.

Saúde física

5

Praticar exercícios em ambientes naturais oferece mais benefíciosàsaúde do que exercícios em ambientes fechados.

O professor associado da GSALS da Universidade de Tóquio, Masashi Soga, comentou o seguinte sobre este projeto de pesquisa conjunto.

“As pessoas sempre recorreramànatureza em busca de relaxamento e tranquilidade, e os recentes avanços em pesquisa e tecnologia possibilitaram quantificar estes benefícios intangíveisàsaúde. Entretanto, muito pouco se sabe sobre o papel desempenhado pela biodiversidade no fornecimento destes benefíciosàsaúde. Se pudéssemos aclarar este tema, poderíamos desenvolver o tipo de gestão da paisagem e dos espaços verdes que respalda a coexistência com a natureza, pois é desejável tanto do ponto de vista da conservação da biodiversidade como da melhoria da saúde humana.

Este projeto de pesquisa conjunto é uma investigação em larga escala de como a interação com a natureza em nossos jardins, talvez a natureza mais familiar para a maioria de nós, afeta nossa saúde e bem-estar. A biodiversidade dos jardins é uma área difícil de estudar até agora, mas os dados de plantio nacionais da Sekisui House irão nos permitir conduzir a primeira investigação abrangente do mundo sobre a relação entre a biodiversidade de jardins e a saúde humana e o modo como as pessoas apreciam e interagem com a natureza. Até agora, as discussões sobre os benefícios da natureza para a saúde tendiam a ter foco em extensões relativamente grandes de hortaliças, como espaços verdes e florestas, mas com este novo estudo, esperamos esclarecer a importância de realmente ‘viver com a natureza’. Esperamos que nossos resultados de pesquisa sejam úteis para promover a conservação da biodiversidade urbana.”

A GSALS da Universidade de Tóquio e a Sekisui House visam contribuir para a conservação da biodiversidade urbana e a criação de uma sociedade positiva para a natureza, ao compartilhar as descobertas da investigação sobre o modo como as interações com a natureza próxima em ambientes urbanos afetam a saúde mental das pessoas e a maneira como apreciam e interagem com a natureza.

Notas

  1. Escola de Pós-Graduação em Ciências Agrícolas e da Vida, Universidade de Tóquio, Laboratório Soga: https://www.masashi-soga.com/
  2. Um ambiente com vista para o verde: a importância da natureza nas proximidades para a saúde mental durante a pandemia de COVID-19: https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/eap.2248
  3. Iniciativa de conservação da biodiversidade da Sekisui House: https://www.sekisuihouse.co.jp/gohon_sp/
  4. Metodologia positiva da natureza da Sekisui House: https://www.sekisuihouse.co.jp/gohon_sp/method/

Escola de Pós-Graduação em Ciências Agrícolas e da Vida, Universidade de Tóquio

A Escola de Pós-Graduação em Ciências Agrícolas e da Vida da Universidade de Tóquio oferece uma educação sistemática passo a passo em ciências aplicadas no campo da agricultura. Através de suas atividades educacionais e de pesquisa, visa nutrir as pessoas com o tipo de percepção, habilidades práticas e qualidades de liderança necessárias para satisfazer as necessidades da sociedade internacional mediante atividades sociais, culturais e industriais.

Projeto Gohon no Ki da Sekisui House

O Projeto Gohon no Ki foi lançado pela Sekisui House em 2001 como uma iniciativa para conservar a biodiversidade através do paisagismo ecológico e da ecologização dos jardins de seus clientes com a cooperação deles. Com base no conceito de plantar cinco árvores nativas locais, três para aves e duas para borboletas, e usar a paisagem tradicional japonesa de satoyama como modelo, o Projeto Gohon no Ki propõe a ecologização de jardins e comunidades locais com espécies de árvores nativas apropriadas ao clima local e benevolente para aves, borboletas e outra fauna local. No ano fiscal de 2021, a Sekisui House plantou 1,01 milhão de árvores, fazendo crescer o número de árvores plantadas desde o lançamento do Projeto Gohon no Ki em 2001 para 18,1 milhões de árvores (em janeiro de 2022). Desde 2019, a empresa trabalha com o Laboratório Kubota da Universidade de Ryukyu e a Think Nature Co., Ltd. a fim de avaliar quantitativamente a contribuição da ecologização do tipo de rede para a biodiversidade urbana. Em 2021, desenvolveu o primeiro mecanismo do mundo para avaliar quantitativamente a biodiversidade urbana usando big data sobre números de árvores, espécies, dados de localização e ecossistemas para determinar a eficácia da conservação da biodiversidade, ao publicá-lo como a “metodologia positiva para a natureza”.

Escola de Pós-Graduação em Ciências Agrícolas e da Vida, Dados do Laboratório Soga da Universidade de Tóquio

  1. Soga et al. (2017) A jardinagem é benéfica para a saúde: uma meta-análise. Relatórios de Medicina Preventiva, 5, 92-99.

    URL: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2211335516301401

    Visão geral: Uma meta-análise (análise estatística que combina os resultados de diversos estudos científicos e analisa se um determinado fator está relacionado a uma questão específica) que confirmou que a interação com plantas através da jardinagem tem efeitos positivos na saúde humana
  2. Soga, Gaston (2016) Extinção da experiência: a perda das interações homem-natureza. Fronteiras em Ecologia e Meio Ambiente, 14, 94-101.

    URL: https://esajournals.onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/fee.1225

    Visão geral: Um estudo mostrando que a interação humana com a natureza está diminuindo em muitos países desenvolvidos e que esta “extinção da experiência” pode ter sérias implicações negativas para a saúde humana e a proteção dos ecossistemas
  3. Soga et al. (2020) Como podemos mitigar o aumento da biofobia entre crianças durante a extinção da experiência?Conservação Biológica, 242, 108420.

    URL: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0006320719309577

    Visão geral: Um estudo mostrando que as pessoas que interagem com a natureza apenas com pouca frequência são mais propensas a mostrar reações negativas (medo, aversão) quanto a insetos comuns e outros invertebrados

O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.

Contato:

Sekisui House, Ltd. – Assessoria de Relações Públicas

sekisuihouse-pr@actioinc.jp

+81-3-5771-6426

Fonte: BUSINESS WIRE

Posts Relacionados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

×

Hello!

Click one of our contacts below to chat on WhatsApp

×