Home Notícias Corporativas Setor produtivo articula proposta de desenvolvimento sustentável da Amazônia

Setor produtivo articula proposta de desenvolvimento sustentável da Amazônia

por DINO

As mineradoras decidiram se envolver mais intensamente nos debates e ações voltados a estabelecer estratégias para o desenvolvimento sustentável da Amazônia. A proposta é conectar esta iniciativa setorial às agendas globais de combate aos riscos climáticos, já que a Amazônia é crucial para o cumprimento das metas dessa agenda, como se discutiu, inclusive, na recente COP27, organizada pelas Nações Unidas, no Egito.

O primeiro passo está sendo dado, com a busca de articulação pelo Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM) junto a eventuais parceiros para organizarem a ‘Conferência Internacional Amazônia & Bioeconomia’. O encontro tem data, dias 30 e 31 de agosto de 2023, e local: Belém, capital do Pará, durante a EXPOSIBRAM 2023, maior evento do setor minera da América Latina. Até lá, o IBRAM e seus parceiros irão realizar três eventos preparatórios para atraírem parceiros e coletarem subsídios direcionados a fortalecer os debates na Conferência.

A ‘Conferência Internacional Amazônia & Bioeconomia’ foi formalmente apresentada, em Brasília aos ministros de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, e das Relações Exteriores, Carlos França; aos embaixadores da União Europeia no Brasil, da Austrália e a representantes diplomáticos dos Estados Unidos e Finlândia; ao governador do Pará, Helder Barbalho; bem como a empresários de vários setores.

“A conferência será propositiva. Isso significa que resultará em uma proposta formal de como desenvolver atividades produtivas relacionadas à bioeconomia na região amazônica, tendo a participação de diversos setores, a exemplo da mineração e de outras cadeias produtivas”, afirma o diretor-presidente do IBRAM, o ex-ministro Raul Jungmann. Esta proposta é para ser construída por um conjunto de forças da sociedade, tendo por máxima o respeito às opiniões e posicionamentos da população da região amazônica, em especial, dos povos originários, completa Jungmann.

Para o anfitrião da conferência, o governador do Pará, Helder Barbalho, a mineração é compatível com o bioma e com a geração de valor para o desenvolvimento da região amazônica. Segundo ele, atividades consolidadas, como a mineração e o agronegócio, “devem ser incrementadas com a lógica da bioeconomia e com o incremento do portfólio de commodities do Brasil”.

Raul Jungmann diz que o setor da mineração tem por decisão tomar atitudes relevantes em relação à Amazônia e com a organização da conferência, espera atitudes semelhantes de outros atores, públicos e privados. “No centro das preocupações do mundo está a questão ambiental e, particularmente, a questão climática. E no centro dessa questão climática está a Amazônia. A conferência representa o compromisso do setor mineral com este ativo, que é a Amazônia, ativo no sentido de natureza, biodiversidade, de história, que não é só crucial para os brasileiros, mas importante para o mundo”, explica.

A mineradora Vale, uma das maiores do mundo em atuação, informa que irá apoiar a realização da Conferência. A companhia considera o evento relevante para consolidar a mineração sustentável como pilar do desenvolvimento responsável da Amazônia, diz o vice-presidente executivo de Assuntos Corporativos e Institucionais da companhia, Alexandre D’Ambrósio.

Raul Jungmann explica que “a indústria da mineração tem evoluído sobremaneira na sustentabilidade de suas operações, nas boas práticas ESG e é a fonte dos insumos necessários às inovações tecnológicas voltadas a mitigar os riscos climáticos. Estas requerem uma maior e constante oferta de minérios, como lítio, terras-raras, cobre, entre muitos outros”, diz.

Segundo ele, as pautas globais de transição energética, de descarbonização da economia, bem como de combate à pobreza e de elevação do padrão de vida das populações são, também, pautas do setor mineral. “É um setor que, pelas suas características, se consolida para ser um dos líderes dessa transformação que a sociedade almeja. E a Amazônia tem um papel fundamental para superar tais desafios e, portanto, todos precisamos contribuir para estabelecer os rumos adequados ao seu desenvolvimento sustentável”, analisa o dirigente.

Posts Relacionados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

×

Hello!

Click one of our contacts below to chat on WhatsApp

×