Home Notícias Corporativas Sebrae-MT: mulheres conciliam maternidade e empreendedorismo

Sebrae-MT: mulheres conciliam maternidade e empreendedorismo

por DINO
0 comentário

Lugar de mulher é onde ela quiser.  A frase, popular nos últimos anos, é corroborada por um estudo do Sebrae-MT (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Mato Grosso), que mostra que 71% das empreendedoras sul-mato-grossenses são mães. Destas, a maior parte (58,46%) está à frente de empresas do setor do comércio. 

Indicativos do GEM (Global Entrepreneurship Monitor) 2020, coletados com apoio do Sebrae e do IBQP (Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade), demonstram que o Brasil tem cerca de 52 milhões de empreendedores. Deste percentual, 30 milhões (48%) são mulheres, o que coloca o país como a sétima nação com o maior número de empresárias.

Paralelamente, dados da RME (Rede Mulher Empreendedora) indicam que mais da metade (55%) das empresárias brasileiras abriram negócios nos últimos 3 anos.

Na análise de Juliana Viza, que é médica, empreendedora, estilista e personal stylist da loja Juliana Viza Store, e-commerce de roupas femininas, cada vez mais, as mulheres estão migrando para o empreendedorismo em busca de reconhecimento, conhecimento e liberdade financeira. “Para conseguirmos, de fato, alcançar tudo isso, precisamos persistir muito e nos manter firmes no propósito para conciliar desafios como a maternidade e o empreendedorismo”, afirma.

banner

Juliana Viza afirma que descobriu, por experiência própria, que a maternidade e o empreendedorismo têm muito em comum: “os desafios diários da maternidade me tornaram uma empreendedora melhor, assim como os desafios de liderar pessoas me ajudaram a compreender melhor o crescimento do meu filho e me conhecer ainda mais como mãe e mulher”, descreve.

Empreendedorismo com moda feminina

A empresária e palestrante Juliana Viza conta que a “paixão” por moda começou na faculdade de medicina, quando ela comercializava roupas com defeitos, consertando e revendendo.

“Acredito que a moda externa é aquilo que existe de mais lindo na mulher, sua personalidade, autenticidade e singularidade”, pontua Juliana Viza. “É por isso que acredito que mulheres modernas podem ter diversas versões, mostrando aquilo que sentem e são”, destaca.

Na visão da CEO do Instituto Viza, as mulheres sempre foram símbolo de representação da moda. “Acredito que, com o posicionamento feminino, as mulheres podem se empoderar sobre o assunto [moda] e se tornar referências de business e gestão no âmbito de vestuários no Brasil”, afirma.

Indicativos do Sebrae, levantados a partir de um cruzamento de dados da Receita Federal, revelam que o setor de moda cresceu em plena pandemia de covid-19. Segundo o balanço, mais de 440 milhões de brasileiros abriram um negócio ligado à moda em 2020 e 2021 – uma alta de 16,5% em relação ao biênio anterior.

Outro estudo do Sebrae, desta vez em parceria com a FGV (Fundação Getúlio Vargas), mostra que 84% dos negócios de moda utilizaram o e-commerce para vender durante a crise sanitária. Até então, a média geral era de 70%.

A indústria da moda é o maior segmento em faturamento global no e-commerce B2C (Business-to-Consumer”, em inglês – Negócios para o Consumidor, em português), com vendas de US$ 525 bilhões  (R$ 2.735,09 trilhões) anualmente, conforme publicação do site Valor Investe. Ainda de acordo com o “Blog Seu Negócio”, o segmento cresce cerca de 11,4% por ano e pode faturar US$ 1 trilhão (R$ 5,21 trilhões) em 2025.

Para mais informações, basta acessar: https://julianaviza.com.br/

Posts Relacionados

A riqueza do varejo brasileiro, as tendências, as melhores práticas do mercado você só encontraca na Negócio e Franquia, descubra tudo sobre FRANQUIAS, SHOPPING CENTERS, EMPREENDEDORISMO, GESTÃO, NEGÓCIOS, CULTURA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E CONHEÇA AS POLÍTICAS PÚBLICAS para o mundo dos negócios.

Copyright @2024 – Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por 77Prime Labs

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais