Home Notícias Corporativas Macseg explica a diferença entre os três tipos de assinatura eletrônica

Macseg explica a diferença entre os três tipos de assinatura eletrônica

por DINO

A Lei 14.063 que dispõe sobre o uso de assinaturas eletrônicas em interações com entes públicos, em atos de pessoas jurídicas, em questões de saúde e sobre as licenças de softwares desenvolvidos por entes públicos, veio para simplificar o uso da assinatura eletrônica de documentos públicos. Outros fatores foram levados em conta, entre eles, incentivar a digitalização e facilitar o isolamento social no período crítico da pandemia e, principalmente, ser um grande avanço para transformação digital.

Serafim Cunha, diretor da Macseg Certificadora Digital destaca que a assinatura eletrônica é uma certificação digital validada pelo Instituto de Tecnologia da Informação (ITI), ligado ao Governo Federal. Ela é utilizada para realizar procedimentos on-line que precisam de proteção dos dados envolvidos que trafegam pela Internet, garantindo que a pessoa é a mesma pessoa que está realizando a transação e/ou assinando o documento.

Há uma série de obrigatoriedades para uso do certificado digital ICP-Brasil, mas a Lei estabelece três tipos de assinatura eletrônica (simples, avançada e qualificada), bem como a validade e os requisitos para a utilização de cada uma delas. “O que antes era permitido somente com a utilização da certificação digital, ganha outros formatos de assinatura, expandindo acesso a todos os cidadãos e facilitando o uso da assinatura”, comenta o executivo.

Os três tipos de assinatura eletrônica são:

A Simples, que permite, por meio de login e senha, a checagem de dados pessoais básicos como nome, endereço e filiação. É aceita na interação entre órgãos públicos e órgãos públicos e população, sendo usada em serviços de menor risco e sigilo.

A assinatura Avançada não tem a certificação validada pelo órgão máximo no Brasil – ITI -, é intermediária e está vinculada a pessoa que assina, permitindo o acesso exclusivo de informações pelo titular e o acompanhamento de alterações no documento. Aceita em procedimentos que envolvem informações sigilosas, mas que não precisam de um grau máximo como, por exemplo, no processo de abertura, alteração e fechamento de empresas.

Já a Qualificada fica para as transações que realmente precisam de sigilo absoluto e grau máximo de segurança, entre eles compra e venda de imóveis, transferências de veículos, atas de assembleias e convenções de empresas e instituições privadas, livros contábeis e em documentos assinados por chefes de Poder, ministros e governadores. Esta modalidade de assinatura também é a exigida na compra de medicamentos controlados.

Posts Relacionados

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais

Don`t copy text!
×

Hello!

Click one of our contacts below to chat on WhatsApp

×