Home Notícias Corporativas MCTI prorroga prazo da Lei do Bem e anuncia nova plataforma

MCTI prorroga prazo da Lei do Bem e anuncia nova plataforma

por DINO
0 comentário

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) anunciou ontem, 04 de junho, a nova plataforma para o envio da Lei do Bem, o principal incentivo fiscal para inovação do país. O lançamento ocorreu na sede do Ministério, em Brasília, com a presença da Ministra Luciana Santos e importantes nomes do setor de inovação, como Guila Calheiros (MCTI), Sheila Pires (MCTI), Rodrigo Pontes (CNI) e Marcela Flores (ANPEI).

Durante o evento, além de apresentar as novidades da plataforma, a Ministra anunciou a prorrogação do prazo para envio da Lei do Bem referente ao ano base 2023. Originalmente previsto para 31 de julho, o prazo foi estendido até 30 de setembro de 2024 devido às mudanças no sistema de envio. Também foi destacada a ampliação do prazo para empresas do Rio Grande do Sul submeterem contestações dos lotes 12º, 13° e 14º, agora estendido até 31 de agosto deste ano.

Entre as novidades da plataforma estão:

  • Novo sistema de segurança com login via gov.br e acesso restrito a representantes autorizados;
  • Plataforma dedicada com capacidade para lidar com alto volume de demandas e processamento ágil de informações;
  • Verificação da continuidade e cooperação nos projetos;
  • Alertas programados para limites de horas trabalhadas por ano;
  • Possibilidade de preenchimento simultâneo por múltiplos usuários da mesma empresa;
  • Melhor integração do FormP&D com a base de dados da Receita Federal.

Desenvolvida para facilitar o acesso aos benefícios fiscais, a nova plataforma foi construída com base em sugestões dos usuários. Além de mais clara e intuitiva, ela promete melhorias contínuas e geração de dados, o que não era possível no formato anterior.

banner

Também foram anunciadas a retomada das atualizações dos relatórios da Lei do Bem, que não eram publicados há quase uma década, e a da Pesquisa de Inovação Tecnológica (PINTEC), realizada pelo IBGE e que estava inativa desde 2017. Com relação aos relatórios, há uma parceria com a Unesco, que participa também de estudos para aprimoramento da Lei.

Marcela Flores, diretora-presidente da ANPEI, cujos associados beneficiários da Lei representam 85% do total, aproveitou a oportunidade para enfatizar a urgência da aprovação dos projetos de lei em tramitação no Congresso. Essas propostas têm como objetivo permitir o uso dos benefícios da Lei do Bem em anos subsequentes e garantir maior autonomia na avaliação dos projetos, mantendo transparência e clareza no processo de avaliação.

Prevê-se que, com melhorias e mudanças na legislação, esse benefício, o único multissetorial para inovação, atenda a um número ainda maior de empresas e projetos, consolidando-se como o mais importante do país. Para 2024, o MCTI estima receber cerca de 14.000 projetos de Lei do Bem referentes ao ano-base 2023 e demonstra interesse em restabelecer o fluxo contínuo de análises.

Segundo Guila Calheiros, Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, a expectativa é de que a maioria das análises pendentes (ano base 2019 a 2022) seja concluída até o final de 2024, e relembra que já houve mais de 70 mil projetos acumulados antes das forças tarefas realizadas para diminuir esse backlog.

Para André Maieski, sócio da Macke Consultoria, o novo sistema de report da Lei do Bem está mais ajustado à realidade dos projetos apresentados pelas empresas que utilizam os benefícios e que as melhorias trarão avanços na qualidade da prestação de contas das organizações. “O prazo estendido em 60 dias é uma oportunidade para que as empresas que já usufruem dos benefícios se adequem a nova plataforma e que empresas que ainda não utilizam o benefício tenham a oportunidade de fazê-lo”, acrescenta Maieski.

O sócio da Macke Consultoria vê com bons olhos as frentes do MCTI para a atualização da Lei do Bem, afirmando que os ajustes administrativos e as mudanças na legislação visam aprimorar e garantir maior segurança às empresas, bem como a continuidade de seus investimentos em anos de prejuízo fiscal, fortalecendo a economia brasileira.

Posts Relacionados

A riqueza do varejo brasileiro, as tendências, as melhores práticas do mercado você só encontraca na Negócio e Franquia, descubra tudo sobre FRANQUIAS, SHOPPING CENTERS, EMPREENDEDORISMO, GESTÃO, NEGÓCIOS, CULTURA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E CONHEÇA AS POLÍTICAS PÚBLICAS para o mundo dos negócios.

Copyright @2024 – Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por 77Prime Labs

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais