Home Notícias Corporativas Brasil arrecadaria R$ 40 bilhões com IGF, aponta estimativa

Brasil arrecadaria R$ 40 bilhões com IGF, aponta estimativa

por DINO
0 comentário

O Brasil arrecadaria cerca de 40 bilhões de reais por ano se o imposto sobre grandes fortunas (IGF) fosse implementado na política tributária do país, conforme aponta a estimativa feita pela campanha “Tributar os Super Ricos”, representada por mais de 70 organizações da sociedade civil.

A proposta da campanha é que pessoas com patrimônio superior a R$ 10 milhões sejam tributadas com a aplicação do IGF sobre o excedente desse valor estabelecido – ou seja, quem possuir R$ 12 milhões de patrimônio, seria tributado sobre o valor de R$ 2 milhões.

A ideia deste movimento é que, nos primeiros cinco anos do IGF, as alíquotas sejam de 0,5% para patrimônios entre R$ 10 milhões e R$ 40 milhões, 1% para entre R$ 40 milhões e R$ 80 milhões e 1,5% para patrimônios acima de R$ 80 milhões.

Após este período, as alíquotas passariam para 1%, 2% e 3%, respectivamente. Dados da campanha estimam que 0,028% da população brasileira, cerca de 59 mil pessoas têm patrimônio superior a R$ 10 milhões.

banner

Roger Mitchel, diretor do escritório contábil Contabilidade Internacional, lembra que a proposta de taxação das grandes fortunas, prevista na Constituição Federal de 1988, nunca foi regulamentada no país e visa estabelecer uma alíquota progressiva sobre o patrimônio de pessoas que detém grandes riquezas. 

“Este mecanismo é defendido por economistas e setores da sociedade como uma ferramenta de redistribuição de renda, capaz de diminuir as desigualdades sociais e econômicas que marcam profundamente o tecido social brasileiro, apesar de que atingiria apenas o patrimônio que está na pessoa física e uma empresa offshore evitaria o IGF.”, afirma o empresário.

De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), no Brasil, 1% da população mais rica detém 28,3% da renda total, o que torna o país um dos mais desiguais do mundo.

Mitchel explica que o potencial de arrecadação estimado em R$ 40 bilhões anuais abre um leque de possibilidades para o financiamento de áreas críticas como saúde, educação e infraestrutura, além de contribuir para a redução do déficit público. 

“Essa receita adicional poderia, segundo os proponentes da medida, propiciar um avanço significativo na qualidade de vida da população, especialmente dos segmentos mais vulneráveis”, diz o especialista.

Apoio popular à taxação de grandes fortunas

Uma pesquisa realizada pelo Instituto DataSenado com 2007 cidadãos brasileiros mostrou que 62% concordam com a criação de algum tipo de imposto sobre grandes fortunas.

Mitchel reforça que, à medida que a discussão sobre o IGF avança na sociedade, surge a necessidade de um diálogo amplo e profundo que envolva todos os setores.

“A busca por um consenso sobre como financiar as despesas públicas de maneira justa e eficiente permanece como um dos principais desafios do Brasil contemporâneo, colocando em perspectiva a importância de políticas fiscais inovadoras e socialmente responsáveis”, afirma o empresário.

Para saber mais, basta acessar: www.contabilidadeinternacional.com

Posts Relacionados

A riqueza do varejo brasileiro, as tendências, as melhores práticas do mercado você só encontraca na Negócio e Franquia, descubra tudo sobre FRANQUIAS, SHOPPING CENTERS, EMPREENDEDORISMO, GESTÃO, NEGÓCIOS, CULTURA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E CONHEÇA AS POLÍTICAS PÚBLICAS para o mundo dos negócios.

Copyright @2024 – Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por 77Prime Labs

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais