Home Notícias Corporativas Estudo aponta dados do setor de máquinas e equipamentos

Estudo aponta dados do setor de máquinas e equipamentos

por DINO
0 comentário

Segundo estudo divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), o setor de máquinas e equipamentos registrou uma queda na receita líquida de vendas em março de 2024, em comparação ao mês anterior. Ajustando para os fatores sazonais, a retração ocorreu tanto no mercado interno quanto no externo, marcando uma diminuição de 21,3% no primeiro trimestre de 2024 em relação ao mesmo período do ano anterior, segundo apontamento do relatório.

Conforme informado na publicação, os segmentos de máquinas agrícolas, para a indústria de transformação e para infraestrutura e indústria de base foram os mais impactados. No mercado doméstico, houve uma queda acumulada de 21,9%, embora a receita de vendas de componentes para bens de capital tenha se mantido estável e tenha havido um crescimento nas vendas de máquinas para logística e construção civil.

O relatório aponta dados indicando que fatores como as eleições municipais, obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e novas políticas públicas podem direcionar o país para um novo ciclo de investimentos. O estudo aponta que esse otimismo é fundamentado nas expectativas de um ambiente macroeconômico mais favorável, capaz de sustentar um aumento nos investimentos no setor de máquinas e equipamentos.

No comércio exterior, março de 2024 encerrou com exportações totais de US$ 1.018,36 milhões, um aumento de 24,6% em relação a fevereiro. Apesar dessa recuperação mensal, o setor acumulou uma queda nas exportações no primeiro trimestre do ano em comparação com 2023. O relatório ainda informa que, em termos de quantidade física, as exportações cresceram 24,7% em março, mas caíram 13,1% no trimestre, refletindo a valorização do real e uma base de comparação alta do ano anterior.

banner

O estudo informou ainda que o desempenho das exportações variou entre os segmentos monitorados, com crescimento em quase todos, exceto para máquinas de infraestrutura e indústria de base. O relatório mostrou que houve uma queda observada nas exportações de máquinas para agricultura e para logística e construção civil, que juntas representam mais de 40% do total exportado pelo setor. A diminuição das exportações para a América do Sul, especialmente Argentina e Chile, também contribuiu para o resultado negativo.

Por outro lado, é possível observar no relatório que as importações de máquinas e equipamentos aumentaram em março, tanto em relação ao mês anterior (13,9%) quanto ao mesmo mês de 2023 (0,1%), totalizando US$ 2,4 bilhões. O documento informa ainda que em termos físicos, as importações cresceram 16,9% em comparação com fevereiro. No primeiro trimestre, as importações somaram US$ 6,9 bilhões, um aumento de 6,1% em relação ao mesmo período do ano anterior, com destaque para máquinas destinadas à fabricação de bens de consumo não duráveis e semiduráveis.

José Antônio Valente, diretor da empresa locadora de equipamentos Trans Obra, afirmou que o aumento de 13,9% nas importações de máquinas e equipamentos em março de 2024, comparado ao mês anterior, e de 6,1% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período do ano anterior, destaca a dinâmica do mercado interno. “Para o setor de locação de equipamentos, isso pode significar uma maior disponibilidade de máquinas modernas e tecnologicamente avançadas para aluguel, permitindo que as empresas atendam a projetos complexos e de grande escala com eficiência”.

Ainda de acordo com o relatório, a China, os EUA, a Alemanha e a Itália lideraram as importações para o Brasil, com a China sendo a principal origem. A China respondeu por 29,8% das máquinas importadas no primeiro trimestre, principalmente componentes para reposição ou fabricação de outras máquinas, e máquinas para logística e construção civil.

Em março de 2024, a publicação afirmou que o consumo aparente nacional de máquinas e equipamentos caiu 20,6% em relação ao mesmo mês do ano anterior, resultando em uma contração de 14,5% nos investimentos nacionais no primeiro trimestre. A desaceleração na agricultura e o baixo nível de utilização da capacidade instalada nos setores de bens de consumo duráveis e de bens de capital foram fatores determinantes para essa retração. Enquanto o consumo de máquinas agrícolas caiu 35%, o setor de transformação registrou uma queda de 6%.

Perguntado sobre o assunto, José Antônio afirmou que enquanto o setor de máquinas e equipamentos enfrenta desafios, o mercado de locação de equipamentos para construção civil tem a oportunidade de se destacar como uma solução viável e econômica, como tem sido na nossa unidade da empresa de locação de equipamentos em Barra Velha, Santa Catarina. “Com a perspectiva de novos investimentos e um ambiente macroeconômico favorável, o futuro do setor de locação parece promissor, oferecendo flexibilidade e inovação para superar os desafios atuais”.

Posts Relacionados

A riqueza do varejo brasileiro, as tendências, as melhores práticas do mercado você só encontraca na Negócio e Franquia, descubra tudo sobre FRANQUIAS, SHOPPING CENTERS, EMPREENDEDORISMO, GESTÃO, NEGÓCIOS, CULTURA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E CONHEÇA AS POLÍTICAS PÚBLICAS para o mundo dos negócios.

Copyright @2024 – Todos os Direitos Reservados. Desenvolvido por 77Prime Labs

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Assumiremos que você está ok com isso, mas você pode cancelar, se desejar. Aceitar Ler mais